Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Avifauna do Parque da Devesa - Observação e Registo

Projeto que visa promover a observação, a identificação, o registo fotográfico e a divulgação das espécies da avifauna que residem ou visitam o Parque da Devesa em Vila Nova de Famalicão.

Avifauna do Parque da Devesa - Observação e Registo

Projeto que visa promover a observação, a identificação, o registo fotográfico e a divulgação das espécies da avifauna que residem ou visitam o Parque da Devesa em Vila Nova de Famalicão.

Viúva-de-cauda-comprida (vidua macroura) - "Ave da Semana" (2015-04-26)

IMG_3703_ac.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-04-26) é... a Viúva-de-cauda-comprida (vidua macroura). Espécie exótica, africana, observada duas vezes no parque, primeiro em outubro de 2013 (um casal) e, posteriormente, em setembro de 2014. Existem registos de observações desta ave noutros locais de Portugal, nomeadamente na zona de Aveiro, todavia, a sua presença no nosso país será consequência de fugas de cativeiro. Não sei se já existirá criação desta espécie em liberdade, à semelhança do que se verifica com outras espécies exóticas (ex.: bico-de-lacre). 

Estas bonitas aves proporcionaram-me um episódio muito curioso. Primeiro vi o macho a alimentar-se no prado, aproximei-me e fotografei-o durante vários minutos. A certa altura comecei a ouvir um canto de alarme de uma segunda ave, no cimo de uma árvore próxima. A ave que estava a fotografar baixou-se e ficou imóvel. Entretanto a ave que estava na árvore sobrevoou-me e foi poisar atrás de mim, sempre numa autêntica algazarra. Distraiu-me por escassos segundos. Quando olhei para a frente já a outra tinha fugido. Fugiram as duas...
http://www.xeno-canto.org/44747

Poupa (Upupa epops) - "Ave da Semana" (2015-04-12)

IMG_2658_ac.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-04-19) é ... a Poupa (Upupa epops). Esta ave mede entre 25 a 29 cm de comprimento e entre 44 a 48 cm de envergadura. “Reproduz-se em regiões agrícolas e pastagens abertas com pequenas matas, sebes e arbustos; frequentemente avistada em vinhas e pomares. Estival (sobretudo fim de abril – setembro); inverna em África. Passa a maior parte do tempo no solo alimentando-se (sobretudo de minhocas e insetos) em áreas de erva rasteira ou sem qualquer vegetação. Desconfiada (embora não propriamente tímida), mantém uma certa distância em relação ao Homem. Nidifica em buracos de árvores, muros de pedra, caixas-ninhos ou nos alicerces de edifícios. 

(…) Voa frequentemente a baixa altitude, rente ao solo. No solo move-se de forma enérgica e aos solavancos como os estorninhos.
VOZ – Quando agitada e excitada emite um ‘scheer’ barulhento, que faz lembrar uma rola-turca ou um guincho distante. Também emite um trinado seco ‘cherrr’, quando alimenta o seu par/crias e noutras situações. O canto consiste num ‘oop-oop-oop’ trissilábico, oco e abafado, repetido várias vezes; embora pareça fraco a curta distância, tem grande alcance.” (Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e da Europa, Assírio & Alvim, 2012)
http://www.xeno-canto.org/176275

Pintassilgo (Carduelis carduelis) - "Ave da Semana" (2015-04-12)

IMG_7341_ac.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-04-12) é ... o Pintassilgo (Carduelis carduelis). Esta linda ave pertence a um grupo grande e variado de passeriformes chamado Fringilídeos (Fringilidae). Mede entre 12 a 13,5 cm. “Reproduz-se em bosques de árvores de folha caduca a baixa altitude, em pinhais e em pomares. Sobretudo estival, a maioria inverna no Sul e Oeste da Europa. Geralmente observado em bando após a época de reprodução. Alimenta-se normalmente de sementes de cardo, bardanas, etc.
IDENTIFICAÇÃO – Inconfundível pela sua face vermelha, tem cabeça preta e branca, asas preto-carvão com barras alares amarelas e largas, uropígio branco nítido e cauda preta com pintas brancas. Sexos idênticos….
VOZ – Chamamento consiste num ‘tickelitt1 trissilábico, saltitante e alegre; quando os bandos se alimentam emitem um ‘litt’ monossilábico ou um ‘telitt’ dissilábico em tom de conservação… O canto é relativamente calmo, parecido com o do lugre, e consiste em trinados rápidos, notas miadas e sequências chilreadas, sendo contudo sempre identificado pela interligação da nota de chamamento.” (Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e da Europa, Assírio & Alvim, 2012)
http://www.xeno-canto.org/138496

Milheirinha (Serinus serinus) - "Ave da Semana" (2015-04-05)

IMG_9253_ac.jpg

 

E a "Ave da Semana" (2015-04-05) é ... a Milheirinha (Serinus serinus). A cantar e a encantar, a Milheirinha é, nesta altura da primavera, muito observada no Parque da Devesa. É uma ave pequena, com um comprimento entre 11 a 12 cm. “Reproduz-se perto de bosques e em pequenas zonas arborizadas, em jardins, parques jardins de igrejas, pomares, etc., de preferência com algumas coníferas (geralmente abeto, tuia, cipreste, etc.). Audaz. Faz várias excursões aéreas. Nidifica relativamente alto em coníferas densas ou em pomares de citrinos. (…) O chamamento é um trinado zumbido ou barulhento - ‘zir’r’r’rl’’, com um timbre tipicamente agudo metálico e límpido. O chamamento de alarme é um ‘tü-ih’ crescente (…) O canto é uma sequência frenética e quase esganiçada de notas guinchadas, agudas e tilintadas (geralmente parecidas com o som de esmagar vidro, sendo identificável o timbre da nota de canto) no mesmo tom, emitidas do topo de árvores ou num voo de canto com batimentos das asas rígidos e em câmara-lenta.” (Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e da Europa, Assírio & Alvim, 2012)
http://www.xeno-canto.org/200781