Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Avifauna do Parque da Devesa - Observação e Registo

Projeto que visa promover a observação, a identificação, o registo fotográfico e a divulgação das espécies da avifauna que residem ou visitam o Parque da Devesa em Vila Nova de Famalicão.

Avifauna do Parque da Devesa - Observação e Registo

Projeto que visa promover a observação, a identificação, o registo fotográfico e a divulgação das espécies da avifauna que residem ou visitam o Parque da Devesa em Vila Nova de Famalicão.

Pato-colhereiro (Anas clypeata) - "Ave da Semana" (2015-02-22)

IMG_3840_ac.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-02-22) é o Pato-colhereiro (Anas clypeata). Ave observada no Parque da Devesa nos dias 05 e 06 de outubro de 2013. É um pato com 44 a 52 com de comprimento. “Tem um bico muito grande. Os machos são inconfundíveis, com a cabeça verde-escura, peito branco, ventre castanho e olhos amarelos. As fêmeas são acastanhadas, mas com o bico distintivo. Os machos em eclipse são parecidos com as fêmeas, mas são mais avermelhados e com os olhos claros. … Frequenta lagoas costeiras, pauis, estuários e barragens. Alimenta-se de plâncton, insectos e sementes. É invernante originário do norte e centro da Europa.” (Aves de Portugal – Incluindo os arquipélagos dos Açores, da Madeira e das Selvagens, Lynx Edicions, outubro 2011)

http://www.xeno-canto.org/75991

Toutinegra-de-barrete (Sylvia atricapila) - "Ave da Semana" (2015-02-15)

toutinegra barrete_1_20150102.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-02-15) é a Toutinegra-de-barrete (Sylvia atricapila). Ave residente, observada diversas vezes no Parque da Devesa, com aproximadamente 14 cm de comprimento. “Tem um barrete que é preto nos machos, mas castanho nas fêmeas e nos imats. Ao contrário de outras toutinegras, não tem a garganta e as rectrizes exteriores brancas. O chamamento é um chec duro, que é repetido com frequência. O canto é excelente, com frases compridas que costumam começar de forma pobre, mas que terminam com notas lentas e muito musicais. Frequenta bosques com matagal, hortas, parques e jardins.” (Aves de Portugal – Incluindo os arquipélagos dos Açores, da Madeira e das Selvagens, Lynx Edicions, outubro 2011)

http://www.xeno-canto.org/29723

Chapim-rabilongo (Aeghitalos caudatus) - "Ave da Semana" (2015-02-08)

IMG_8591_ac.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-02-08) é o Chapim-rabilongo (Aeghitalos caudatus). Esta ave tem um comprimento entre 13 a 15 cm, incluindo a cauda, a qual mede entre 7 a 9 cm. “Reproduz-se em bosques mistos ou de árvores caducifólias, com vegetação arbustiva variada (frequentemente aveleiras e salgueiros) e algumas árvores mortas, e locais arbustivos. Sobretudo residente. Muitas vezes visto em pequenos grupos familiares a sobrevoar rapidamente bosques e jardins. Confiante, mas irrequieto, em geral, observado por pouco tempo. Constrói ninho fechado e oval, de musgo, na bifurcação de ramos, preso com teias de aranha e habilmente camuflado com casca de vidoeiro e líquenes.…Chapim muito pequeno e rechonchudo, com cauda comprida; em voo, parece uma bola clara e pequena com cauda. Voo saltitante com pequenas ondulações. Agarra-se de forma acrobática a galhos muito finos e consegue pendurar-se de cabeça para baixo.… Os bandos em constante movimento emitem um ‘srih-srih-srih’ alto, trissilábico e agudo, e chamamentos murmurados ligeiramente explosivos – ‘zerrrr’.” (Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e da Europa, Assírio & Alvim, 2012)

http://www.xeno-canto.org/42187

Trepadeira-do-sul (Certhia brachydactyla) - "Ave da Semana" (2015-02-01)

IMG_7997_ac.jpg

E a "Ave da Semana" (2015-02-01) é a Trepadeira-do-sul (Certhia brachydactyla). É uma ave residente no Parque da Devesa, frequentemente observada percorrendo os troncos das árvores. Mede 13 cm. “É uma ave pequena, de bico fino e algo curvo. Move-se só para cima ao longo dos troncos. O canto é distintivo, breve e enfático: ti-ti-titeroi-tí. Os chamamentos habituais são: siit, tsui, chink. Frequenta todo o tipo de bosques. Nidifica em gretas e buracos de árvores, em muros e caixas-ninho.” (Aves de Portugal, Incluindo os Arquipélagos dos Açores da Madeira e das Selvagens, Lynx Edicions, outubro 2011)

http://www.xeno-canto.org/67394